Novo secretário de segurança do DF é anunciado; esquema para posse no Congresso será ajustado


O governo do Distrito Federal (DF) anunciou nesta quarta-feira (25) o delegado Sandro Avelar, da Polícia Federal (PF), como novo secretário de Segurança Pública. Anteriormente, a CNN apurou que o nome foi escolhido em reunião com a governadora em exercício, Celina Leão.

A intervenção federal na segurança do DF acaba no dia 31 de janeiro, mas a nomeação foi adiantada para que já seja feita a transição, conforme explicaram as autoridades.

Atualmente, o responsável pelo setor é o interventor Ricardo Cappelli. Ele foi escolhido após Anderson Torres ter sido exonerado do cargo de secretário devido aos ataques criminosos aos Três Poderes.

Durante a coletiva de imprensa em que foi confirmado o nome de Avelar, a governadora pontuou que este é um momento em que é necessária colaboração entre governo federal e do DF.

Ela elogiou a atuação de Cappelli e afirmou que a antecipação serve para que o novo secretário esteja familiarizado com o esquema de de segurança montado para a posse de deputados e senadores, que acontece no dia 1° de fevereiro.

O interventor, por sua vez, afirmou que o governo federal está “completamente de acordo” com o anúncio e a antecipação e que Rosa Weber, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), e Arthur Lira, presidente da Câmara dos Deputados, pediram atenção especial para a segurança na abertura do ano Legislativo e Judiciário.

“Nosso desafio é esse: restabelecer o equilíbrio, a tranquilidade, a normalização nas forças de segurança do DF”, ressaltou.

Avelar falou rapidamente, observando que recebeu o convite “com muita honra e também como uma missão”, destacando que confia “absolutamente nas forças de segurança do Distrito Federal”.

No governo de Jair Bolsonaro (PL), em 2021, ele atuou o como diretor-executivo da PF — o “número dois” da corporação. Avelar já foi secretário de Segurança Pública do DF, entre 2011 e 2014, no mandato Agnelo Queiroz (PT).

Plano especial

Ricardo Cappelli também ressaltou que o plano de segurança para a posse dos deputados e senadores, bem como abertura do ano judiciário, já está pronto, mas que serão colhidas informações da inteligência para realizar um “ajuste fino”.

“Há um plano já pronto, que será reavaliado na próxima segunda-feira, dia 30, às 17h, portanto, 48h antes”, disse.

“Vamos fazer uma mobilização condizente que tem a posse dos deputados e senadores e eleição das mesas das duas casas, assim como reabertura do ano judiciário”, complementou.

Quando perguntado se foi detectada alguma ameça, informou que “não há nada alarmante, mas há um sentido de prevenção”.

*com informações de Larissa Rodrigues e Leonardo Ribbeiro, da CNN