Posição de Lula sobre a guerra na Ucrânia preocupa Japão


A postura de neutralidade do presidente Lula em relação à guerra na Ucrânia, assim como o anúncio de uma viagem do presidente à China, é motivo de preocupação para representantes do governo japonês em Brasília.

Sobre a guerra na Ucrânia, Lula disse recentemente que “quando um não quer, dois não brigam”. O Brasil nega ter enviado munições para ajudar os ucranianos e tenta manter uma postura neutra.

O embaixador japonês, Hayashi Teiji, disse aos legisladores que vê o presidente se alinhando com a Rússia e a China. O Japão está preocupado com uma possível invasão chinesa de Taiwan.

A invasão, vista como possível consequência do domínio russo sobre a Ucrânia durante a guerra, enfraqueceria o Japão no continente asiático.

A Embaixada do Japão no Brasil busca interlocutores do governo para discutir o assunto, pedindo que o país se alinhe com a posição dos Estados Unidos, Europa e Japão.